A visão mística: A molécula do Espírito

"(...)Os sons, semelhantes ao toque do shofar, conduziam as rodas e as rodas, por sua vez, conduziam o sol nascente, a lua poente, todas as estrelas e ainda, todas as moléculas de toda a existência."
Foi quando eu senti minha consciência ser conduzida para fora do tempo e espaço que me encontrava. Fui levado por uma força selvagem em direção ao ponto central no meio das engrenagens da criação. Neste momento, minha alma estava entregue ao êxtase e não havia mais qualquer identificação da minha consciência com um corpo finito.
As rodas eram imensas e preenchiam todos os Céus. Elas eram envoltas por um brilho semelhante as safiras azuis e dentro destas safiras, haviam miríades de criaturas angelicais enormes que entoavam cânticos. Os sons, semelhantes ao toque do shofar, conduziam as rodas e as rodas, por sua vez, conduziam o sol nascente, a lua poente, todas as estrelas e ainda, todas as moléculas de toda a existência. E todos os mundos, uniformemente em uníssono interagiam entre si por meio destas rodas que giravam e conduziam a existência em uma profundidade invisível ao olhar profano.
Ao perceber-me dentro deste ponto central, observei que todo o mundo e toda a existência não era outra coisa senão um grande organismo vivo, funcionando de uma maneira incrível e indescritível, e cada partícula da existência compõe este tesouro cósmico e tudo emanava do ponto central onde eu me encontrava. Neste momento, eu estive em contato com as hierarquias superiores de Luz e Perfeição e estabeleci comunicação.
Certamente, não seria adequado e moralmente aceito por D's a exposição deste mistério, mas, após ser levado pelo Santo as suas moradas celestes e compreender o mundo como ele verdadeiramente é, eu pude ver toda a existência ser "quebrada" e aproximada para o ponto central onde eu me encontrava. Isso ocorria como se houvesse um grande corpo gravitacional atraindo toda a existência para dentro de si e este "corpo" era eu.
Foi quando o anjo de D's me disse: "Não há outro.", e eu despertei de um sono profundo que me encontrava há muitas vidas...

Texto escrito por Alef Yaakov para MKB News.

Todos os direitos reservados da Academia Merkabah.

138 visualizações1 comentário